Existem várias técnicas de venda e conhecimentos diversos que ajudam o corretor a alcançar sucesso nos seus negócios imobiliários. Um requisito de grande relevância para se obter êxito está em saber identificar os perfis dos clientes, um recurso que certamente auxilia na hora de direcionar as pessoas para a concretização de uma compra mais ajustada às suas necessidades, gerando mais potencial de satisfação.

No entanto, os corretores também apresentam certos perfis pessoais, e cada espécie de profissional oferece características bem específicas, que também poderão ou não ser vantagens para se vender mais e conquistar mais comissões. Gostaria de saber se você se encaixa em alguns desses tipos?

O tipo “todo mundo gosta de mim”

Esse corretor é aquele que acha que todos os acontecimentos são positivos, está sempre de bem com a vida e agrada a todo mundo. Demonstra ser apaixonado pelo que faz e às vezes dá a impressão de ser puxa-saco, por querer contentar a todos. Não é incomum que seu tempo não seja otimizado e seus processos de vendas não sejam objetivos.

O tipo “desorganizado”

Perde muitas vendas porque às vezes chega atrasado aos encontros, não lembra onde está o contato do cliente novo, nem onde guardou informações importantes sobre seu portfólio de imóveis. Também gasta muito tempo para refazer tarefas.

O tipo “tagarela”

Fala muito mais do que o cliente, e por isso não consegue identificar com precisão seu perfil, muitas vezes gerando ainda certo desconforto na pessoa que está sendo atendida por ele.

O tipo “especialista”

Há dois tipos de especialistas. Existe o especialista geral, que é aquele que sabe de tudo, fala sobre tudo, muito além do ramo imobiliário. Frequentemente, este tipo se perde na transação, deixando de ser objetivo. E também existe o especialista imobiliário, que é um tipo que, se souber domar sua língua, poderá ser mais bem-sucedido. No entanto, em qualquer um desses perfis, há que se tomar cuidado para não ser maçante demais e afugentar a clientela.

O tipo “calça branca”

É como são chamados os novatos, que estão começando no negócio imobiliário e por isso têm pouca experiência e menos noções acerca da corretagem. Em compensação, geralmente têm mais energia para receber os clientes, são mais prestativos e demonstram muita gana em crescer na profissão.

O tipo “bem-sucedido”

Veste-se muito bem, de maneira formal, além de ser polido e cortês na sua apresentação ao cliente, dando uma impressão de destaque como profissional mais entendido e poderoso. Os excessos, aqui, poderão afugentar clientes de menos poder aquisitivo. Não haverá maiores problemas, no entanto, se esse corretor não trabalhar com esse nicho.

O tipo “moderninho demais”

Esse é o corretor que está conectado às mais diversas tecnologias para promover, facilitar e organizar seu trabalho. Só que seu exagero nem sempre é acompanhado por seus clientes, e é preciso dosar e equiparar a disposição da pessoa a quem está pretendendo atender.

Se você ficou com dor de cabeça tentando descobrir em qual perfil se enquadrava – ou se conseguiu ver suas características descritas em um dos tipos acima –, talvez seja a hora de repensar sua atitude e como está lidando com sua carreira. O bom profissional da corretagem é aquele que não se apresenta como uma caricatura de atributos, mas se prepara muito, se mantém informado, é organizado, voluntarioso, ouve mais e somente fala o indispensável para envolver e satisfazer os clientes, empregando os melhores recursos e a tecnologia para facilitar seu trabalho. Ou seja, o corretor de imóveis ideal procura reunir as melhores qualidades de cada um dos tipos acima, querendo se aperfeiçoar sempre.

Por acaso você coincide com algum perfil? Compartilhe suas impressões conosco!

Para saber mais sobre o BemDireto siga por aqui e confira como captar clientes reais e fazer parcerias rentáveis.

Comente aqui