Quando alguém é proprietário ou tem a posse de uma residência, fica liberado para criar ou manter animais habitando o local, desde que se respeite tanto a legislação do meio ambiente como o bom trato com a vizinhança local. Mas na hora de vender o imóvel, isso pode se tornar um fator negativo, pois os animais normalmente deixam mau cheiro característico, imprimem marcas, nódoas e arranhões em pisos e paredes, e seus resquícios podem disparar alergias naquelas pessoas mais sensíveis. Quais seriam, portanto, as medidas que o bom corretor poderia tomar a fim de promover as vendas de residências que tinham animais morando com os antigos proprietários?

Retire os animais do local

A primeira providência a ser feita pelo interessado em vender o imóvel é a rápida e imediata remoção dos animais da localidade em questão. Se os moradores ainda estiverem ocupando o imóvel, mesmo que provisoriamente, recomende que encontrem um lugar diverso para manterem seus animais de estimação, explicando a situação. A mudança vale também para os potes de ração, caminhas e outros indícios que ali havia animais, o que pode alertar os eventuais compradores para que procurem avarias e estragos que os bichos possam ter deixado nos móveis e nas instalações da residência.

Reforme as partes que estão maltratadas

Se o gato ou cachorro arranhou, mordeu ou danificou pisos, paredes, rodapés e outras partes de seu imóvel, sobretudo se os estragos forem bastante grandes ou bem visíveis, procure convencer os donos dos imóveis a reparar os danos antes de colocá-lo à venda, respeitando suas possibilidades financeiras.

Mantenha os animais fora de vista

Caso seja mesmo impossível que os donos enviem seus animais de estimação para uma estadia fora de casa durante o período em que a residência estiver à venda no mercado imobiliário, pelo menos peça para que eles não os deixem no imóvel nos dias em que marcar uma visita de apresentação com compradores interessados. Do mesmo modo, os brinquedos, potes e outros objetos devem ser guardados, tirando-os da vista dos visitantes, e os cômodos devem estar preferencialmente bem asseados.

Limpe bem a casa

Uma boa higienização dos aposentos, extraindo os vestígios de pelos e sujidades pode evitar que compradores alérgicos fiquem espirrando ou se sintam mal quando estiverem passeando pelas dependências do imóvel.

Elimine os maus odores

Muitas vezes não basta limpar bem os vários locais da casa. O mau cheiro dos animais permanece e vale muito a pena tratar e purificar ao máximo o ar do ambiente. Afinal, não é só a aparência dos lugares que conta, mas odores muito intensos e agressivos podem afastar qualquer comprador bem-intencionado. Portanto, invista em tudo o que for necessário, desde limpadores enzimáticos até purificadores de ar, e mantenha as janelas abertas na hora da apresentação, ou recorra a demãos de uma nova pintura, nos casos mais graves.

Limpe o quintal e área de serviço

Não se esqueça de higienizar adequadamente também os anexos do imóvel, onde os animais costumam zanzar livremente. Os compradores costumam peregrinar por todos os cantos de um imóvel antes de fechar a negociação, não só para verificar se ele vai atender às demandas que possui, mas para confirmar se o local está em boas condições.

Muitas pessoas adoram animais, desde que não estejam sujando ou danificando a casa que o cliente pretende comprar, sobretudo se ele não pretende tê-los na residência quando se mudar para lá. Portanto, se você seguir essas sugestões, vai aumentar as chances de vender imóveis por onde os pets moraram junto com seus donos. Você já passou por problemas para negociar casas assim?

Quer saber mais sobre o BemDireto? Confira aqui todas as oportunidades para gerar novos negócios.

Comente aqui